Livro da Bolsa

IV – Linhas de Tendência - Como Desenhar Uma Linha de Tendência
Índice   •   Anterior   •   358 - 359 - 360 - 361 - 362 - 363 - 364 - 365 - 366 - 367 - 368 - 369 - 370 - 371 -    •   Seguinte
O ideal será manter as duas sempre no gráfico, caso
sejam necessárias, obtendo um resultado assim:
Assim ficámos logo desde Setembro de 2003 com duas
linhas de tendência, a nossa inicial que veria nesse mês
o quinto contacto importante dos preços com a mesma,
e uma outra linha de tendência nova que teria como
segundo ponto de teste os mínimos desse mesmo mês
de Setembro.
Após essa nova onda gerada pelo último contacto e
penetração dos preços na nossa linha de tendência
inicial, há uma nova aproximação dos mesmos a essa
nossa linha de suporte, mas desta vez, assim que
tocam nela, há um novo ressalto, não a chegando a
penetrar, e subindo bastante novamente.
A nossa nova linha de tendência continuaria aqui neste
momento por ser confirmada, mas presente no gráfico.
Chegamos agora perto de Abril de 2004, onde vemos
finalmente os preços a quebrarem a nossa linha de
tendência inicial, e mantendo-se debaixo dela.
Contudo, vemos algo de muito importante: a nossa
nova linha de tendência tem finalmente a confirmação
de que precisávamos e vemos que não só é válida como
também nos é bastante útil.
www.LivroDaBolsa.com
Pág.
364
Nota: Estas páginas poderão conter alguns erros de escrita devido à conversão automatizada para HTML, bem
como perda de qualidade das imagens, mas poderá ver a versão correcta e mais legível na versão PDF do livro.
Estas páginas em versão HTML não foram também preparadas para serem abertas no navegador IE.

Livro da Bolsa